Arundo donax (20)

Arundo donax

Erva perene de grande porte, até 6 m, rizomatosa, com longos caules robustos, cilíndricos e ocos.

Nome científico: Arundo donax L.

Nomes vulgares: cana, canavieira, cana-do-reino, cana-comum, cana-vieira

Família: Poaceae (Gramineae)

Estatuto em Portugal: espécie invasora

Nível de risco: 14 | Valor obtido de acordo com um protocolo adaptado do Australian Weed Risk Assessment (Pheloung et al. 1999), segundo o qual valores acima de 6 significam que a espécie tem risco de ter comportamento invasor no território Português | Actualizado em 30/09/2015.

Sinonímia: Arundo maxima Forskål

Data de atualização: 26/10/2015

Ajude-nos a mapear esta espécie na nossa plataforma de ciência cidadã.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Como reconhecer

Erva perene robusta, de grandes dimensões, rizomatosa, com colmos (caules) até 6 m x 1-3,5 cm, simples ou pouco ramificados, com os nós envolvidos pelas bainhas das folhas.

Folhas: de 1-8 cm de largura, lanceoladolineares, de margens cortantes, com aurículas verde-amareladas na base, e longamente atenuadas em ponta fina.

Flores: reunidas em panículas violáceas, com 30-90 cm, oblongas, densas e ± contraídas, geralmente com pedúnculo curto e ráquila glabra.

Frutos: cariopses oblongas, que não produzem sementes viáveis fora da área de distribuição nativa.

Floração: agosto a outubro.

 

Espécies semelhantes

Arundo plinii Turra (ou = A. micrantha Lam, havendo opiniões divergentes em relação à sua taxonomia), nativo em Portugal, é muito semelhante mas distingue-se por ser cespitoso (i.e., ter os caules muito juntos formando tufos) e ter menores dimensões (colmos até 1,5 cm ø e folhas até 2 cm de largura). Os caniços (Phragmites australis (Cav.) Trin. ex Steud.) também têm alguma semelhança mas também têm dimensões menores (tanto no diâmetro como na altura dos colmos), e a ráquila apresenta pelos compridos.

 

Características que facilitam a invasão

Reproduz-se unicamente por via vegetativa, por rizomas, apresentando taxas de crescimento muito elevadas. Os rizomas regeneram muito vigorosamente após corte renovando e até agravando os problemas de invasão.

Os fragmentos dos rizomas são transportados nos cursos de água e originam novos pontos de invasão, a grandes distâncias, quando ficam retidos nas margens.

Os ramos mortos são inflamáveis e a planta regenera após o fogo.

 

Área de distribuição nativa

Embora não haja unanimidade entre os autores quanto à origem desta espécie, presume-se que seja nativa da parte oriental da Europa, Ásia temperada e tropical.

 

Distribuição em Portugal

Portugal continental (todas as províncias), arquipélago dos Açores (todas as ilhas), arquipélago da Madeira (ilhas da Madeira e Porto Santo).

Para verificar localizações mais detalhadas desta espécie, verifique o mapa interactivo online. Este mapa ainda está incompleto – precisamos da sua ajuda! Contribua submetendo registos de localização da espécie onde a conhecer.

Áreas geográficas onde há registo da presença de Arundo donax

Outros locais onde a espécie é invasora

Europa (Espanha, França, Alemanha, Hungria, Malta), África (Namíbia, Tanzânia, África do Sul), Austrália, Nova Zelândia, América do Norte (México, EUA), América do Sul (Venezuela, Perú, Argentina, Chile).

 

Razão da introdução

Provavelmente pelo interesse dos colmos, nomeadamente para utilização na agricultura, em sebes e para segurança de taludes.

 

Ambientes preferenciais de invasão

Na proximidade de linhas de água, diques, zonas húmidas, pauis e zonas pantanosas costeiras. É também muito frequente na margem de vias de comunicação e áreas agrícolas.

Cultivada por todo o país, exceto em altitudes elevadas.

 

 

Impactes nos ecossistemas

Forma clones que ocupam áreas extensas, impedindo o desenvolvimento da vegetação nativa (nomeadamente vegetação de zonas ribeirinhas), excluindo a fauna associada e interferindo com o fluxo de água.

Em ilhas/arribas impede a nidificação de algumas aves com impactes graves nessas espécies.

 

Impactes económicos

Custos elevados na aplicação de medidas de controlo.

Em linhas de água constitui um sério obstáculo ao escoamento, aumentando, consequentemente, o risco de cheias e enxurradas. Em situações extremas, pode interferir com o movimento de barcos, provocar danos em estruturas como pontes e barragens.

 

Outros impactes

As canas são muito inflamáveis, mesmo quando verdes, o que acentua a probabilidade de ocorrência de incêndios e os danos por ele causados.

 

Habitats Rede Natura 2000 mais sujeitos a impactes

– Florestas aluviais de amieiro (Alnus glutinosa) (91E0);
– Florestas mistas de carvalho-alvarinho (Quercus robur), ulmeiro (Ulmus minor) e freixo (Fraxinus angustifolia) das margens dos grandes rios (91F0);
– Florestas-galerias de salgueiro-branco (Salix alba) e choupo-branco (Populus alba) (92A0);
– Florestas-galerias junto aos cursos de água intermitentes mediterrânicos com rododendro (Rhododendron ponticum), salgueiros (Salix) e outras espécies (92B0);
– Galerias e matos ribeirinhos meridionais (Nerio-Tamaricetea e Securinegion tinctoriae) (92D0 pt1, pt2);
– Cursos de água de margens vasosas com vegetação da Chenopodium rubri p. p. e da Bidention p. p. (3270);
– Cursos de água mediterrânicos permanentes da Paspalo-Agrostidion com cortinas arbóreas ribeirinhas de salgueiro-branco (Salix alba) e choupo-branco (Populus alba) (3280);
– Cursos de água mediterrânicos intermitentes da Paspalo-Agrostidion (3290).

 

O controlo de uma espécie invasora exige uma gestão bem planeada, que inclua a determinação da área invadida, identificação das causas da invasão, avaliação dos impactes, definição das prioridades de intervenção, seleção das metodologias de controlo adequadas e sua aplicação. Posteriormente, será fundamental a monitorização da eficácia das metodologias e da recuperação da área intervencionada, de forma a realizar, sempre que necessário, o controlo de seguimento.

As metodologias de controlo usadas em Arundo donax incluem:

 

Controlo físico

Arranque manual: metodologia preferencial para plantas jovens (com rizomas de dimensões reduzidas), até cerca 2m de altura. Em substratos mais compactados, o arranque deve ser realizado na época das chuvas de forma a facilitar a remoção dos rizomas. Tanto quanto possível deve garantir-se que não ficam rizomas e/ou fragmentos dos rizomas de maiores dimensões no solo pois estes regeneram muito vigorosamente diminuindo a eficácia da metodologia.

Corte e posterior remoção dos rizomas: aplica-se a plantas com rizomas muito extensos. Pode ser realizado com equipamentos manuais e/ou mecânicos. Deve garantir-se que não ficam rizomas de maiores dimensões no solo. Os rizomas removidos devem ser retirados do local para posterior queima. Os caules devem ser posteriormente destroçados.

 

Controlo físico + químico

Corte combinado com aplicação de herbicida: aplica-se a plantas de maiores dimensões. Corte dos caules tão rente ao solo quanto possível e aplicação imediata (impreterivelmente nos segundos que se seguem) de herbicida (princípio ativo: glifosato) na zona de corte. Alguns autores referem que os rebentos são mais sensíveis ao herbicida pelo que, alternativamente, a aplicação de herbicida pode ser realizada quando os rebentos atingirem 1 a 2 m altura. A aplicação de herbicida deve ser realizada após a floração.

 

Controlo químico

Aplicação foliar de herbicida: aplica-se a rebentos jovens, até 1-2 m de altura. Pulverizar com herbicida (princípio ativo: glifosato) limitando a sua aplicação à espécie-alvo. Deve realizar-se após a floração e com recurso a pulverizadores.

 

Visite a página Como Controlar para informação adicional e mais detalhada sobre a aplicação correta destas metodologias.

 

Benton N, Bell G, Swearingen JM (2005) Giant reed – Arundo donax. In: Plant Conservation Alliance’s Alien Plant Working Group. Weeds gone Wild: Alien Plant Invader of Natural Areas. Disponível: http://www.nps.gov/plants/alien/fact/ardo1.htm [Consultado 10/11/2012].

Dana ED, Sanz-Elorza M, Vivas S, Sobrino E (2005) Especies vegetales invasoras en Andalucía. Consejería de Medio Ambiente, Junta de Andalucía, Sevilla, 233pp.

Dudley T (2000) Arundo donax. In: Bossard CC, Randall JM, Hoshovsky MC Invasive Plants of California’s Wildlands. University of California Press, Berkeley, CA, pp. 53-58.

Global Invasive Species Database (2012) Arundo donax. Disponível: http://www.issg.org/database/species/ecology.asp?si=112&fr=1&sts=sss&lang=EN [Consultado 10/11/2012].

Marchante E, Freitas H, Marchante H (2008) Guia prático para a identificação de plantas invasoras de Portugal Continental. Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra, 183pp.

Pheloung, P.C., Williams, P.A., Halloy, S.R., 1999. A weed risk assessment model for use as a biosecurity tool evaluating plant introductions. Journal of Environmental Management. 57: 239-251.

Silva L, Corvelo R, Moura M, Land EO, Fernandes FM (2008) Arundo donax L. In: Silva L, Land EO, Luengo JLR (eds) Flora e fauna terrestre invasora na Macaronésia. Top 100 nos Açores, Madeira e Canárias. Arena, Ponta Delgada, pp. 213-216.

 

This post is also available in: Inglês