Pormenor dos capítulos ovoide-globosos arroxeados.

Eryngium pandanifolium

pdf

Erva de porte elevado, até 3 m, de folhas carnudas em roseta basal, picantes nas margens; semelhantes a um cato.

Nome científico: Eryngium pandanifolium Cham. & Schlecht.

Nome vulgar: piteirão

Família: Apiaceae (Umbelliferae)

Estatuto em Portugal: espécie invasora (listada no anexo I do Decreto-Lei n° 565/99, de 21 dezembro)

Nível de risco: 17 | Valor obtido de acordo com um protocolo adaptado do Australian Weed Risk Assessment (Pheloung et al. 1999), segundo o qual valores acima de 6 significam que a espécie tem risco de ter comportamento invasor no território Português | Actualizado em 30/09/2015.

Data de atualização: 26/10/2015

Ajude-nos a mapear esta espécie na nossa plataforma de ciência cidadã.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como reconhecer

Erva perene de caules eretos de até 3m.

Folhas: basais ensiformes, carnudas, de nervuras paralelas, com 1,5-2,5 m de comprimento e espinhos marginais, reunidas numa sub-roseta; folhas caulinares semelhantes mas menores.

Flores: branco-esverdeadas tornando-se arroxeadas no fruto, reunidas em capítulos de 5-15 mm, ovoideglobosos; capítulos reunidos em dicásios, por sua vez reunidos em panículas; capítulos envolvidos por 6-8 brácteas, ovadolanceoladas, agudas, inteiras, menores que os capítulos.

Frutos: mericarpos de 2,5 cm, cobertos de escamas papilosas.

Floração: julho a agosto.

 

Espécies semelhantes

À primeira vista, pode confundir-se com uma espécie de cato devido aos espinhos marginais das folhas, mas a floração é muito diferente.

 

Características que facilitam a invasão

Reproduz-se por via vegetativa formando rebentos vigorosos após o corte.

Espécie de distribuição muito limitada, sendo referida como causando problemas apenas no Baixo Mondego.

Área de distribuição nativa

Zona subtropical da América do Sul.

 

Distribuição em Portugal

Portugal continental (Beira Litoral).

Para verificar localizações mais detalhadas desta espécie, verifique o mapa interactivo online. Este mapa ainda está incompleto – precisamos da sua ajuda! Contribua submetendo registos de localização da espécie onde a conhecer.

Áreas geográficas onde há registo da presença de Eryngium pandanifolium

Razão da introdução

Para fins ornamentais, provavelmente no Jardim Botânico de Coimbra.

 

Ambientes preferenciais de invasão

Muito comum nos taludes das valas do Baixo Mondego, em lagoachos, valas e em arrozais.

 

Impactes no ecossistema

Forma populações contínuas, densas que impedem o estabelecimento de outras espécies.

 

Impactes económicos

Diminuição da produtividade nos arrozais. Limitação ao uso agrícola dos canais.

Custos elevados na aplicação de metodologias de controlo.

 

Habitats Rede Natura 2000 mais sujeitos a impactes

– Florestas-galerias de salgueiro-branco (Salix alba) e choupo-branco (Populus alba) (92A0).

O controlo de uma espécie invasora exige uma gestão bem planeada, que inclua a determinação da área invadida, identificação das causas da invasão, avaliação dos impactes, definição das prioridades de intervenção, seleção das metodologias de controlo adequadas e sua aplicação. Posteriormente, será fundamental a monitorização da eficácia das metodologias e da recuperação da área intervencionada, de forma a realizar, sempre que necessário, o controlo de seguimento.

Embora na bibliografia não sejam referenciadas as metodologias de controlo específicas para o controlo de Eryngium pandanifolium, sugere-se o uso de metodologias aplicáveis a outras espécies que habitam o mesmo tipo de habitat e que possuem características semelhantes:

Controlo físico

Arranque manual: metodologia preferencial para plântulas e plantas jovens. Deve ser realizado antes da maturação dos frutos. Deve garantir-se que não ficam raízes e/ou fragmentos de maiores dimensões no solo.

 

Controlo químico

Aplicação foliar de herbicida. Pulverizar com herbicida (princípio ativo: glifosato) limitando a aplicação à espécie-alvo.

 

Visite a página Como Controlar para informação adicional e mais detalhada sobre a aplicação correta desta metodologia.

Marchante E, Freitas H, Marchante H (2008) Guia prático para a identificação de plantas invasoras de Portugal Continental. Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra, 183pp.

Pheloung, P.C., Williams, P.A., Halloy, S.R., 1999. A weed risk assessment model for use as a biosecurity tool evaluating plant introductions. Journal of Environmental Management. 57: 239-251.

This post is also available in: Inglês