Senecio bicolor (9)

Senecio bicolor subsp. cineraria

Subarbusto de folhas esbranquiçadas tomentosas e flores amarelas vistosas.

Nome científico: Senecio bicolor (Willd.) Tod. subsp. cineraria (DC.) Chater.

Nome vulgar: senécio

Família: Asteraceae (Compositae)

Estatuto em Portugal: espécie invasora (listada no anexo I do Decreto-Lei n° 565/99, de 21 dezembro)

Nível de risco: 19 | Valor obtido de acordo com um protocolo adaptado do Australian Weed Risk Assessment (Pheloung et al. 1999), segundo o qual valores acima de 6 significam que a espécie tem risco de ter comportamento invasor no território Português | Actualizado em 30/09/2015.

Sinonímia: Senecio cineraria DC.

Data de atualização: 28/10/2015

Ajude-nos a mapear esta espécie na nossa plataforma de ciência cidadã.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como reconhecer

Subarbusto lenhoso de até 50 cm, com caules branco-tomentosos.

Folhas: de 4-5 x 2,5-7 cm, ovadas a lanceoladas, dentadas a penatipartidas, branco-tomentosas na página inferior, ± tomentosas, esverdeadas a glabrescentes na superior.

Flores: amarelas reunidas em capítulos com 12-15 mm de diâmetro, reunidos em corimbos densos, com brácteas brancas-tomentosas.

Frutos: cipselas providas de pelos esbranquiçados.

Floração: maio a julho.

 

Características de invasão

Reproduz-se por via seminal e as sementes são dispersas pelo vento.

Também se reproduz vegetativamente, por rebentos caulinares.

 

 

 

Área de distribuição nativa

Região mediterrânica Central e Oriental.

 

Distribuição em Portugal

Portugal continental (Minho, Douro Litoral, Beira Baixa, Beira Litoral, Estremadura, Algarve).

Para verificar localizações mais detalhadas desta espécie, verifique o mapa interactivo online. Este mapa ainda está incompleto – precisamos da sua ajuda! Contribua submetendo registos de localização da espécie onde a conhecer.

Senecio bicolor subsp. cineraria

Áreas geográficas onde há registo da presença de Senecio bicolor subsp. cineraria

 

Locais onde a espécie é invasora

Oeste dos EUA (Califórnia).

 

Razão da introdução

Provavelmente para fins ornamentais.

 

Ambientes preferenciais de invasão

Subespontâneo em areais e diversos sítios rochosos litorais.

 

 

Apesar de legalmente ser considerada invasora, a sua dispersão em Portugal é relativamente limitada.

Impactes nos ecossistemas

Potencialmente, pode constituir uma ameaça para a vegetação nativa.

 

Outros impactes

Todas as partes da planta são tóxicas sendo, por isso, nocivas para animais.

 

 

O controlo de uma espécie invasora exige uma gestão bem planeada, que inclua a determinação da área invadida, identificação das causas da invasão, avaliação dos impactes, definição das prioridades de intervenção, seleção das metodologias de controlo adequadas e sua aplicação. Posteriormente, será fundamental a monitorização da eficácia das metodologias e da recuperação da área intervencionada, de forma a realizar, sempre que necessário, o controlo de seguimento.

As metodologias de controlo usadas em Senecio bicolor incluem:

 

Controlo físico

Arranque manual:aplica-se a plantas de todas as dimensões. Como é uma espécie frequente em substratos arenosos o arranque costuma ser fácil. Em zonas rochosas, o arranque deve ser realizado cuidadosamente para evitar o desprendimento do substrato rochoso.

 

Visite a página Como Controlar para informação adicional e mais detalhada sobre a aplicação correta desta metodologia.

 

 

DAISIE European Invasive Alien Species Gateway (2012) Senecio cineraria. Disponível: http://www.europe-aliens.org/speciesFactsheet.do?speciesId=23608 [Consultado 10/11/2012].

Gallastegui MH, Prieto JAC (2010) Flora alóctona invasora en Bizkaia. Instituto para la Sostenibilidad de Bizkaia, Vizkaya, 196pp.

Marchante E, Freitas H, Marchante H (2008) Guia prático para a identificação de plantas invasoras de Portugal Continental. Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra, 183pp.

Pheloung, P.C., Williams, P.A., Halloy, S.R., 1999. A weed risk assessment model for use as a biosecurity tool evaluating plant introductions. Journal of Environmental Management. 57: 239-251.

USDA, NRCS. (2012) The PLANTS Database. National Plant Data Team, Greensboro, NC 27401-4901 USA.  Disponível: http://plants.usda.gov [Consultado 10/11/2012].

This post is also available in: Inglês