cats

Gestão sustentável de plantas invasoras

O projecto GANHA – Gestão sustentável de Acacia spp: controlo natural e outras metodologias para recuperação de habitats em Áreas Classificadas é financiado pelo POSEUR, inserido no Eixo Prioritário 3, na tipologia de “Ações de prevenção, controlo e erradicação de espécies exóticas invasoras”, e tem como beneficiários a Universidade de Coimbra (beneficiário líder, através do Centre for Functional Ecology – Science for People & the Planet), a Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos, a Câmara Municipal de Vagos e o RAIZ – Instituto de Investigação da Floresta e Papel. Participa ainda a Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Coimbra

Até 28-02-2020 serão efectuadas acções de gestão de plantas invasoras em 18 Áreas Classificadas cuja conservação está ameaçada, entre outros factores, pela invasão por acácia-de-espigas (Acacia longifolia), mimosa (Acacia dealbata) e/ou austrália (Acacia melanoxylon).

Plantas invasoras alvo do projecto GANHA

 Com a implementação da operação espera-se atingir dois objectivos principais:

  1. Diminuir as áreas actualmente invadidas por mimosa, austrália e/ou acácia-de-espigas, através da aplicação de controlo físico (arranque manual, corte e/ou descasque) e/ou com fito-fármacos (corte combinado com aplicação de herbicidas, em situações mais pontuais), servindo de exemplo de boas práticas.
  2. Reduzir o banco de sementes de acácia-de-espigas, através da libertação de um agente de controlo natural.

Paralelamente, serão iniciados os testes de especificidade com agentes de controlo natural (Melanterius sp.) para mimosa e austrália, e espera-se envolver os cidadãos na prevenção e detecção precoce de plantas invasoras

meli+trichi

Estas tipologias de intervenção contribuirão assim para a gestão sustentável das plantas invasoras nas áreas de intervenção.

 

Acções previstas no ProjectoÁreas Classificadas para libertação de Trichilogaster acaciaelongifoliae (Acção A)

  • Acção ALibertação de Trichilogaster acaciaelongifoliae para o controlo natural de Acacia longifolia

Libertação de Trichilogaster acaciaelongifoliae a partir de Maio de 2017 em nove Áreas Protegidas (PNL, PNSACV, PPAFCC, PNSC, PNA, PNRF, PNPG, RNDSJ e RNLSAS) e seis Sítios da Rede Natura 2000 (PTCON0020 Rio Lima, PTCON0018 Barrinha de Esmoriz, PTCON0056 Peniche/ Santa Cruz, PTCON0034 Comporta/ Galé, PTCON0037 Monchique, PTCON0055 Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas). 

  • Acção B – Quantificação do estabelecimento e efeitos do agente de controlo natural nas áreas de libertação

Avaliação do estabelecimento do agente através da quantificação do número de galhas formadas, do número de sementes formadas vs não formadas, quantificação do banco de sementes, etc. Esta informação servirá também para planificar as libertações seguintes.

  • Acção C – Controlo por métodos físicos e/ou com fito-fármacos

Intervenções de controlo por métodos físicos e/ou com fito-fármacos em três Sítios da Rede Natura 2000 (PTCON0060 Serra da Lousã, PTCON0055 Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas e PTCON0034 Comporta/Galé).

A acção de controlo inicial (Acção C1) inclui: 1) descasque de A. dealbata e de A. melanoxylon (pontualmente) em áreas ripícolas de maior sensibilidade ecológica; 2) corte de A. longifolia; 3) arranque ou outras operações para eliminação de rebentos de touça e/ou raiz; 4) outras metodologias que venham a ser necessárias para situações pontuais. Os controlos de continuidade (Acção C2), incluem principalmente o corte de árvores descascadas e remoção de rebentamentos de raiz e/ou touça, e de plantas resultantes de germinação.  Serão igualmente abrangidas acções facilitadoras da recuperação dos habitats (Acção C3), nomeadamente a plantação de espécies ecologicamente adaptadas aos locais intervencionados (preferencialmente nativas).

  • Acção D – Monitorização das áreas sujeitas a controlo

Avaliação da eficácia das intervenções de controlo físico e/ou com fito-fármacos aplicadas na Acção C e a recuperação de espécies e habitats protegidos.

  • Acção E – Avaliação de agentes de controlo natural para Acacia dealbata e A. melanoxylon

Realização de testes de especificidade de agentes de controlo natural, em ambiente confinado, cujo propósito é reduzir a produção de sementes de A. dealbata e A. melanoxylon.

  • Acção F – Prevenção da entrada de novas espécies invasoras 

Inclui o aumento da sensibilização de diversos públicos-alvo para a problemática das espécies invasoras como forma de prevenção, de detecção e monitorização de espécies exóticas com potencial invasor e distribuição limitada, assim como o teste de novas soluções para melhorar a detecção e vigilância de espécies invasoras.

 

Áreas de intervenção do Projecto

  • Ribeira de Alge

Serão controladas manchas (20,08 ha) de A. dealbata e pontualmente de A. melanoxylon em galerias ripícolas ao longo da Ribeira de Alge, ou outras linhas de água situadas simultaneamente no Município de Figueiró dos Vinhos e no SIC Serra da Lousã

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Dunas de Vagos

Serão controladas manchas de A. longifolia e, mais pontualmente A. dealbata, localizadas no Perímetro Florestal das Dunas de Vagos, que perfazem cerca de 35,5 ha, e estão inseridas no SIC Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

  • Monte Feio

Serão controladas manchas principalmente de A. longifolia, numa área que abrange 156,4 ha, localizada na propriedade Monte Feio da The Navigator Company, que se insere no SIC Comporta/Galé.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Apresentação pública:

No dia 22 de Março de 2108, às 14h30, o projecto GANHA foi apresentado publicamente na Junta de Freguesia da Gafanha da Boa Hora, Vagos. Vejam aqui a apresentação que fizemos.

apresentacao

 

No dia 24 de Setembro de 2018, às 14h30, fez-se a apresentação do projecto GANHA na Casa da Cultura de Figueiró dos Vinhos.

 

Entidades beneficiárias:

logos todos

 

Financiamento:

POSEUR PT2020logo UE

Etiquetas:, , , ,