post2

Há por aí cidadãos-cientistas?

 

Precisamos de ajuda de cidadãos-cientistas para mapear as acácias invasoras em Portugal. Mas o que são plantas invasoras? Plantas invasoras são plantas que vieram de outros locais do mundo (exóticas), adaptaram-se muito bem no nosso território, e hoje em dia reproduzem-se e dispersam pelos seus próprios meios para longe dos locais onde foram introduzidas pelo homem, causando impactes ambientais e económicos negativos.

Entre as piores plantas invasoras em Portugal, encontram-se as mimosas e outras espécies de acácias. Nesta altura do ano, várias destas espécies estão a começar a florir, pelo que é mais fácil distingui-las na paisagem e vê-las onde geralmente não vemos. Por isso, é a altura ideal para pedir a ajuda de todos para as colocar no mapa de avistamentos que temos no invasoras.pt – este mapa é uma plataforma de ciência-cidadã em que contamos com a colaboração de todos os cidadãos para construir o mapa das plantas invasoras em Portugal.

 

Quem pode colaborar?

Todos! Todos podem ajudar-nos a recolher informação sobre plantas invasoras e ser cidadãos-cientistas. Cada cidadão pode registar-se no site (clicando em REGISTE-SE AQUI), ou fazer LOGIN se já estiver registado, e registar as plantas invasoras que vê perto de si no mapa de avistamentos, tornando-se um cidadão-cientista. Para tal podem usar o site ou a app Plantas invasoras para dispositivos Android*, disponível no Google Play. A informação registada fica disponível não só para investigação, mas para gestão das plantas invasoras e está disponível para todos.

* se registar avistamentos através de app para Android, é preferível que aguarde que na LOCALIZAÇÃO que aparece abaixo do mapa (no início do formulário) apareça a informação “coordenadas (GPS)“; quando a localização é obtida por “coordenadas (rede menos exacta)“, por vezes, o local fica bastante afastado do original. Na sua área de utilizador pode posteriormente verificar a localização e alterá-la, se necessário.

mapa

 

Submeter um avistamento é fácil. É apenas necessário uma fotografia e alguma informação sobre o local onde está a invasora, submeter o registo e esperar que apareça no mapa depois de validado pela nossa equipa. Podem ver um pequeno vídeo e consultar as FAQ para esclarecer possíveis dúvidas.

 

Nesta altura do ano, pedimos ajuda para mapear as acácias. Em Portugal, há várias espécies invasoras: a mais conhecida e dispersa é provavelmente a mimosa, mas junto à costa encontram-se principalmente acácia-de-espigas e acácia; a austrália é também muito frequente, mais na zona norte do território continental; outras espécies menos frequentes, mas já bastante dispersas, são a acácia-virilda, a acácia-negra e uma outra acácia que faz lembrar um eucalipto; além destas, há ainda Acacia cyclops e o espinheiro-karro que aparecem mais esporadicamente, apesar de também dispersarem para longe das plantas introduzidas.

As diferentes acácias nem sempre são fáceis de distinguir para um olhar pouco treinado, pelo que além das fotografias disponíveis nos links acima podem usar estar pequena chave de identificação ou o Guia Prático para a Identificação de Plantas Invasoras em Portugal. De forma a ajudar-nos na validação dos avistamentos, por favor, tirem fotografias onde seja possível ver detalhes da espécie, por exemplo, nas acácias com filódios tirem fotografias onde se veja bem a base do filódio; também ajuda se na fotografia for possível ver o tamanho das flores relativamente às folhas.

acácias

 

Claro que são muito bem-vindos a mapear outras plantas invasoras além das acácias.

 

Ajudem a mapear as plantas invasoras em Portugal e partilhem este post para chegar a mais pessoas!

Se cada cidadão, desde o local onde está, registar 3 ou 4 focos de invasão, o mapa das Plantas Invasoras em Portugal ficará rapidamente mais completo e essa informação pode ajudar na investigação e gestão das espécies invasoras.

Obrigado a todos pela ajuda! 

Etiquetas:, ,

    Comments

    1. tem varias mimosas na zona onde vivo

    2. Pingback: Estamos todos desafiados a ajudar no mapeamento das acácias | Wilder

    Deixar uma resposta